Dicas e Técnicas de Aprendizagem e Memorização – Parte II

Vamos continuar nosso papo sobre Técnicas de Memorização e Aprendizagem para Engenheiros de Requisitos e Analistas de Negócio?

Se quiser ver o post anterior clique aqui.

E além desse post, temos também o vídeo ao vivo, que você pode ver usando o link abaixo (que depois servirá para chegar ao vídeo final também). 😉

Ao apresentar ao vivo o vídeo anterior, uma pergunta que me fizeram ficou ecoando na minha cabeça depois:

Porque algumas pessoas aprendem mais rapidamente que outras?

Essa pergunta, bem difícil de responder diga-se de passagem, pode ser um bom norte para pensarmos em formas de aprendermos melhor e mais rápido.

Após pesquisar alguns materiais e relacionar com os tópicos que estudamos no primeiro post (Técnica de Feynman e Pirâmide de Aprendizagem de William Glasser), parecem que algumas características são importantes para a forma que cada pessoa aprende.

Persistência:

Ao que parece a persistência pode ser uma das mais importantes características que definem o quanto uma pessoa será bem sucedida em seus aprendizados (se não for a característica mais importante).

Eu diria que a persistência é “o” diferencial entre o quanto cada pessoa consegue aprender. Mas eu relacionaria essa característica, diretamente a mais duas (pelo menos):

Tempo de Foco:

Ultimamente muito se tem falado sobre a questão do tempo que o cérebro consegue manter o foco em algum assunto. Estima-se que a média seja de 20 minutos para manter a maior produtividade e, em cima disso, temos a técnica POMODORO como uma das mais conhecidas a se utilizar dessa informação. (Comentarei um pouco mais dessa técnica a frente no post)

Quanto mais tempo uma pessoa conseguir manter o foco no seu objeto de estudo, mais ela terá exito em seus estudos.

Organização:

Que inclusive seria a outra grande característica explorada pela técnica POMODORO. Ao conseguir se organizar ou criar seu próprio sistema de estudo, a pessoa se torna mais eficiente em seu aprendizado e mais facilmente novos conceitos podem ser assimilados, já que se sabe qual a melhor maneira de pessoal de aprender.

Um pouquinho sobre a técnica POMODORO

Criada na itália por Francesco Cirillo no final dos anos 80, essa técnica se tornou bastante conhecida e tem como base a criação de “Tempos padrão” cronometrados de 25 minutos, normalmente. Nesses intervalos de tempo, a pessoa deve focar todos os seus esforços em apenas uma tarefa e eliminar todas as distrações.

Ao final de cada “Pomodoro” de 25 minutos, a pessoa deve descansar 5 minutos.

Ao final de 4 “Pomodoros” a pausa deve ser maior. O método também se baseia na organização e na estimativa de quantos “Pomodoros” serão utilizados para cada tarefa, antes de começar a executar o primeiro “Pomodoro” da tarefa.

Caso queira compreender melhor a técnica, há diversos vídeos na web sobre o tema. Esses dados são apenas para compreensão do que foi citado no post. 😉

Mudando radicalmente de assunto, quero falar do último tema da preparação para a live de hoje (pelo menos para quem está lendo no dia 27/11/2018 antes da 20:00 rsrsrsrsrs), que é a teoria das inteligências múltiplas.

Teoria das Inteligências Múltiplas

Essa teoria foi desenvolvida na Universidade de Harvard na década de 80, liderada pelo psicólogo Howard Gardner. Essa teoria é um contraponto a ideia de que se pode medir a inteligência de uma pessoa aplicando-se um “Teste de QI“.

As inteligências encontradas pela equipe de pesquisa são:

  1. Lógico-Matemática
  2. Linguística
  3. Musical
  4. Espacial
  5. Corporal-Cinestésica
  6. Intrapessoal
  7. Interpessoal
  8. Naturalística

Segundo essa teoria, originalmente essas inteligências são independentes e podem ser desenvolvidas em paralelo. Porém existem alguns estudos que sugerem que o “fator G” que seria um índice de inteligência global, pode realmente existir. Isso faria com que as pessoas tivessem algum grau de interdependência entre os diferentes tipos de inteligência.

Com esses itens postos, podemos partir para a nossa discussão no vídeo de hoje (link no início do post).

Abraços,

R.Sabino

 

 

Deixe uma resposta